Ainda não começámos a pensar
                                               We have yet to start thinking
 Cinema e pensamento | On cinema and thought                                                                              @ André Dias

Cruzamentos genéticos



Uma amigável polémica com Leonor Areal do
Doc Log sobre Fora! de Pedro Costa e Rui Chafes, em particular sobre as instalações do primeiro, a partir do texto original dela, com a minha resposta e a sua contra-resposta:

« Não, não digo que [Pedro Costa] fomenta a violência, digo apenas que ele afirma que existe. Mas afirma no local onde ela não é ouvida. Mas onde é absorvida, digerida e esquecida. Talvez o PC ache suficientemente violento o seu gesto – como eu o reconheço – mas, por enquanto, duvido que fosse o gesto que ele escolheu, porque sei que foi um convite. E porque se percebe nas declarações que fez nos jornais que isso não é para ele pacífico nem fácil nem satisfatório. Compraram-lhe a revolta. Ele encontrou uma solução, uma saída honrosa. Mas terá encontrado um caminho? » (Leonor Areal)

Entretanto, a Leonor Areal fez uma interessante segunda visita, não menos pessimista:

« A violência do representado ultrapassa a demonstração teórica. São situações limite – desesperadas – para as quais não há saída. As personagens estão encurraladas. Esta visão niilista é atirada como um insulto ao visitante. Um dedo acusador culpabiliza o visitante burguês que vem ao locus da cultura e é conduzido às cavernas dos excluídos. Pretende o cineasta gerar má-consciência? Ou libertar-se dela? » (Leonor Areal)

Depois de alguma confusão terminológica nos comentários, a Leonor Areal discute o sexo dos anjos cinematográficos a partir de algumas perguntas.
Mas, só para baralhar... creio não há questões, apenas problemas.

1 comentário:

LA disse...

Há novos desenvolvimentos depois de ter começado a pensar...


Arquivo / Archive